15 de nov de 2017

Cobranças

A gente se cobra tanto. A gente se cobra a ser organizado, se cobra a ser gentil, a gente se cobra a ser bom amigo, ter um namorado, comer vegetais e fazer exercícios. A gente se cobra a fazer planos para o futuro, sonhar alto e realizar tudo antes dos trinta. A gente se cobra a ter sucesso, se cobra a ser melhor que o vizinho, o primo e aquele exemplo da família que sempre jogam na sua cara. A gente se cobra e é cobrado.

A gente se cobra a estar sempre feliz, a estar sempre bonito, a gente se cobra para não chorar na frente dos outros, para não ter raiva quando nos fazem de otário, para dizer sim querendo dizer não. A gente se cobra a não demonstrar para não sofrer, a gente se cobra a ser autossuficiente para não precisar dos outros. A gente se cobra e se força a não querer o outro para poder ficar sozinho e assim evitar uma série de cobranças próprias e alheia.

A gente se cobra a entrar na universidade, se cobra a ler todos os textos da faculdade, a gente se cobra a fazer todos os exercícios, a gente se cobra a faltar pouco e dormir menos para entregar todos os trabalhos. A gente se cobra para não chegar atrasado e evitar os olhares de cobranças de quem chegou na hora e o nossa própria cobrança por ter falhado mais uma vez numa tarefa simples.

A gente se cobra que não deveria se cobrar tanto, mas mesmo assim não para de cobrar. A gente se cobra a ter o cabelo perfeito, o rosto perfeito, o corpo perfeito. A gente se cobra a ter o emprego perfeito, o namorado perfeito, a gente se cobra a ser perfeito. Mas a gente nunca consegue nada disso. Sempre falta melhorar e sempre há do que reclamar e se cobrar.

A gente se cobra. A gente se cobra muito. Às vezes a gente tem razão numas cobranças, às vezes os outros tem razão em outras cobranças. Mas a gente esquece de se cobrar humanidade. Na humanidade tem erro, na humanidade tem cansaço, na humanidade tem coisas fora do nosso controle. Na humanidade tem imperfeição, na humanidade tem sentimento. Na humanidade tem vontade, mas também tem preguiça. Na humanidade tem cobrança, mas também tem vontade de desistir de tudo. Na humanidade tem a bondade e a empatia com aquele que não superou as suas cobranças, nem as próprias.

Existe vida depois dos trinta, e remédio para ansiedade causa muitos efeitos colaterais. Na humanidade tem paciência e na cobrança só um relógio contando os segundos para você surtar, ou fazer o outro surtar.

Muito se critica o capitalismo, falamos muito contra o consumismo e ainda assim vivemos com a ideia de que "tempo é dinheiro" e se não tivemos um dia 100% produtivo, a gente se cobra. Tudo volta para a mania de se cobrar a ser máquina, a ser feito de aço, assim como esse computador ou celular que você manuseia para ler esse texto. Algo que pode nos levar a questionar a própria humanidade.

Por: Sabrina Lima