9 de ago de 2017

Tire do Armário #Sabrinice13


Oi gente! 

Que saudade de escrever minhas doideiras aqui nesse blog! 

Resolvi voltar falando de um assunto leve e que pode incomodar muita gente. Na verdade segundo a Universidade do Estado de Sabrina numa pesquisa feita esse ano foi constatado que 90% das pessoas tem problemas com roupas, mas não assumem isso publicamente.

Como todos os sabrinices que eu fiz aqui eles têm um quê de experiências reais sejam minhas ou de terceiros. Nesse caso é minha mesmo e eu tenho até um pouquinho de vergonha de assumir, mas assumirei pelo bem da nação. 

Quando eu disse "problemas com roupas" me referi a dificuldade que as pessoas tem para usar as roupas que elas gostam sem medo do que os outros vão pensar. E não precisa ser uma peça muito diferente, pode ser um decote (que é algo tão comum quanto um chinelo), pode ser uma estampa, qualquer coisa do tipo pode gerar um conflito interno. As peças diferentes tem ainda mais dificuldade para saírem do armário.

Agora entra o meu testemunho: eu também já fiz isso. Sempre fui a mocinha do básico, nada de estampas, tudo preto, branco, cinza e uns jeans. Fim. Mas um belo dia eu fui dar ouvido aos outros e não que isso seja um problema, sabe? A gente tem que ouvir o que os outros dizem, só não podemos aceitar aquilo como verdade sem pensar antes. Eu errei, assumo. Porém se tentar enxergar o lado positivo posso dizer que ao menos experimentei, eu tentei ter um armário colorido, estampado e agora estou caminhando pra voltar a ter as roupas de antes. 

É claro que mais pessoas passam por isso. A gente tem essa mania de se importar com o que os outros pensam, mas não adianta se importar porque não podemos controlar o que pensam sobre nós. Uma roupa é só uma roupa. Ela pode mostrar quem você é, mas pode ser só a primeira roupa que você viu e vestiu porque ainda não é permitido andar nu no Brasil.

Chapéu, meias diferentes, decotes, calça numa festa de quinze anos ou casamento, entre tantas outras roupas totalmente aceitáveis, mas que em alguns lugares as pessoas não estão acostumadas e elas vão criticar. Mas se você se vestir todo de preto adivinha? Vão falar. Se você usar estampas, mas a roupa for um pouco curta, vão falar. Se for muito longa, vão falar. Se a roupa for larga, vão falar. Vão querer te dizer qual tipo de roupa é certo para o seu corpo, para a sua altura, a sua idade, tudo. E como eu disse: ouvir as pessoas pode ser bom, entretanto é necessário equilíbrio entre o ouvir sem questionar e o negar todas as opiniões alheias.

Se você tem alguma peça e tem medo de usá-la por opinião dos outros fica ai o desafio: use-a! Porque o corpo é seu, a vida é sua e se você não está fazendo mal a ninguém qual o problema? É difícil lidar com os julgamentos das pessoas, é difícil ter auto-estima boa tendo que seguir padrões impossíveis. Então o que nos resta nessa vida é sermos nós mesmos, nos aceitar assim do jeitinho que viemos. Dá pra mudar? Claro que dá! Mas você vai mudar por quem? É a resposta dessa pergunta que muda toda uma vida. Só faça se for por você!


DICA FINAL:

Está no final, mas não é menos importante. Enquanto eu escrevia esse texto não pude deixar de pensar que existem problemas diferentes desse: algumas pessoas não tem o que vestir, elas não tem uma vasta possibilidade de combinações. Então se você não gosta de alguma peça seja ela diferentona ou não: DOE. Seja na campanha do agasalho, seja em pleno verão enquanto você faz uma faxina no armário. Simplesmente não guarde o que não te serve e ajude quem você puder.



Como eu disse no Sabrinice #1 não sou a Dona da Verdade, nem pretendo ser. Também não quero com esse texto dizer o jeito certo ou errado de viver, é apenas uma reflexão. Estou aqui exercendo meu direito de escrever algo que tenho total liberdade em publicar.

Obrigada por me ler, usem bolinha com listrinha, roupa preta no verão, não guarde no armário quem você é por causa dos outros e o que não servir: doe.