13 de jun de 2017

Um texto de amor


Um texto de amor para o meu amor

Já nesse dia eu acordei impulsiva, quer dizer mais impulsiva do que o meu normal de impulsividade e fui falar com você. Ah, tanta aconteceu e ao mesmo tempo tanta coisa deveria ter acontecido. "Não custa nada tentar" eu pensei. Claro que não fui chutando o balde, porque essa nunca foi minha linha. Se eu pudesse definir a minha linha eu usaria o famoso "oi sumido :)" em resumo.

Os dias passaram e você estava na minha casa, eu na sua e pera ai qual é minha casa? Qual é a sua? Acho que foi um período que a gente se embolou tanto que virou um só. Uma só loucura, uma só vontade, um só desejo e você sabe o que era tudo isso. Sim! Era paixão. Era loucura que virou paixão e disso virou uma paixão louca, sem limites, sem pudores, sem vergonha, sem hora e sem lugar, na verdade toda hora era hora e todo lugar era lugar.

Ahh é claro que tivemos aquela fase super apaixonada de início de namoro. Eu só falava em você, pensava em você, via você nas ruas, lembrava de você com as músicas, ouvia sua voz quando me concentrava um pouquinho, sentia o seu cheiro no travesseiro, a minha mente era sua praticamente o dia o inteiro.

O amor me pegou, é verdade. Te pegou também, não tem como negar. Eu gostava de ser boba, eu gostava de ser louca por você. Daí que um dia eu resolvi que isso ia durar. Peguei as chaves do meu coração e te deixei entrar pra morar. Contrato vitalício. A única cláusula desse contrato era conservação do espaço, nada demais. Você assinou e se comprometeu a fazer bem mais do que eu esperava e do que eu podia imaginar ter.

Mané, meu amor, menina, princesa e cara de frango (que eu admito ser o melhor) são alguns dos apelidinhos que você me arrumou. Eu amo o nome que tá lá na minha certidão de nascimento. Mas também amo esses que você me deu, mesmo o mai clichê é único porque veio de você. E fala sério, eu te amo amoreco!

A gente planeja o futuro junto, as viagens para os lugares mais doidos, as cores dos móveis da sala e a eterna briga se nosso filho vai ser gato ou cachorro. E eu gosto. Eu gosto quando você discorda de mim pra me irritar ou pra testar a minha capacidade de argumentação. Porque você desarma minha bravesa rápido e mesmo depois de tanto tempo ainda me olha de um jeito apaixonado.

Rir do seu lado, chorar do seu lado, aprender do seu lado, fazer incontáveis coisas ao seu lado. É tudo isso que eu queria. Mesmo não parecendo, eu fui a menininha que assistia os filmes da Disney e queria meu príncipe encantado. Acontece que eu adaptei o cabelo loiro e o olho claro, mas ainda gostaria de fugir num cavalo. Dai você chegou e toda mágica aconteceu, mágica essa que até hoje não se perdeu.

Com você eu vivi tudo que eu não vivi com mais ninguém e nisso inclua coisas boas e ruins. E eu não mudaria simplesmente nada, não trocaria nenhum segundo do que vivemos por algo diferente. Não, não, nem as coisas ruins, afinal foram tão poucas. Olha que eu achava estranho a gente ser um casal que não briga nunca. É essa minha mania de desconfiar de quando tá tudo dando muito certo. Mas em alguns casos vai dar tudo muito certo mesmo, porque a vida tira, mas ela também dá. Ela me deu você e eu sou muito muito muito grata.

Os anos voaram, porque eu ainda lembro da gente só amiguinho de escola sem ter ideia de que um dia ficaríamos juntos. Tudo bem, a gente queria, mas a gente não sabia que essa vontade se tornaria realidade. Ainda bem que se tornou, ainda bem que a gente se encontrou e reencontrou tantas vezes. Ainda bem que a gente se apaixonou e reapaixonou. Ainda bem que a gente se amou, mas nunca re-amou, porque entre a gente o amor sempre transbordou, nunca faltou.

Só queria escrever um texto que falasse sobre nós. Sobre nosso amor, a beleza dele e o quanto eu amo dizer "nós". Acreditando em destino, reencarnação e todas essas coisas que eu acredito, todos os dias que passam eu tenho mais e mais certeza que estava escrito em algum lugar que ficaríamos juntos. Acho também que nas outras vidas a gente esteve junto e que nessa agora nós nos escolhemos de novo. Escolhemos não só amar um ao outro, mas dividir uma vida juntos. Nessa vida a gente não depende um do outro, nem controla ou persegue. Nessa vida a gente só sabe que se pertence e não por posse, mas porque não existe nenhum outro lugar que gostaríamos de estar se não um ao lado do outro.

Por: Sabrina M. Lima