29 de abr de 2017

Eu vim te buscar


-O que? O que você tá fazendo aqui?

-Eu vim te buscar. Gostou da surpresa? -Ela parecia muito surpresa.

-Eu tô realmente surpresa. Que doido! Por que você não me avisou? E por que você veio aqui? Hoje é sexta-feira!

-Eu sei. Você já tem planos? -Me senti maluco. Eu não falava com essa mulher há duas semanas e apareci do nada no trabalho dela. Agora não dava pra voltar atrás. 

-Não. Eu ia pra casa. Mas agora que você apareceu a gente pode beber alguma coisa, aqui tem uns lugares ótimos.

-Ah Soraia, vai soar estranho se eu te chamar pra ir pra minha casa? -Como não parecer um tarado? Tava ficando foda. Mas a cara que ela fez me deu a certeza de que eu parecia um tarado. -Calma! Não precisamos ir se você não quiser. Tranquilo.

-Como assim ir pra sua casa? Eu nunca fui na sua casa. 

-Primeira vez então. -Sorri o menos tarado que eu pude.

-Desculpa, eu sei que a gente se conhece há um tempo e ficamos amigos. Mas ir pra casa é algo que está muito acima da nossa intimidade. A gente se viu quantas vezes desde o aniversário da Roberta?

Que que ela tava dizendo? A palavra "amigos" ficou se repetindo na minha cabeça. Sério? Amigo? Que amigo? Eu? Amigo dela? Talvez um pouco, mas não SÓ amigo. Ah não, amigo não pensava o que eu pensava.

-Soraia, que amigo?

-Han? Como que amigo?

-Po Soraia. Sério? Eu vim até aqui te chamar pra minha casa... Sério? Eu preciso ser tão explícito? Eu posso ser, mas eu não queria te deixar sem jeito. Então eu quero...

-EI! Calma. Eu entendi. Só que eu não percebi antes. Poxa, eu terminei há pouco tempo. Fiquei desligada dessas coisas. Não achei que você tivesse esse tipo de intenção comigo. Foi mal.

Fiquei encarando ela porque eu não sabia o que fazer. De verdade. Ela não per ce beu que eu queria ficar com ela. Como não? Será que eu tinha perdido minha experiência? Que climão ótimo agora.

-Desculpa então. Eu entendi errado e pode deixar que...

-Calma! Eu não estou te dando um fora. Eu só disse que não tinha percebido. O que você tem pra beber em casa? Se disser cerveja já me convence.

-Tem cerveja. -Relaxei o corpo de novo. Só pode ser brincadeira ou um sonho, talvez fosse um sonho. -E tem eu.

Claro que tomei um tapa. Mas foi no braço e foi de leve. Quer dizer um leve que demorou um pouco a passar, mas passou.

Abrindo a porta de casa eu senti vontade de perguntar de novo:

-Sério que você não percebeu?

-Sério. -Ela disse entrando e tirando os sapatos. -Você é bem menos transparente do que pensa. E eu não acho que todos os caras que falam comigo querem necessariamente ficar comigo. Não é uma regra.

-Tá bem, acho que eu fiquei um pouco desencorajado porque você não respondia da maneira que eu esperava.

-Hoje eu não respondi da maneira esperada também, né?

-Não. Não mesmo. Hoje você respondeu bem melhor e eu estou louco pra te recompensar por isso da melhor maneira que eu puder.