30 de mai de 2016

Lembrar você



Lembra que você sempre achou incrível minha boa memória? De tudo que eu lembrava da época de escola, com sete ou oito anos. Você sempre dizia não lembrar nem o nome da sua primeira professora. Isso fazia com que eu me sentisse especial. Com algum tipo de dom, uma super memória. O problema sempre foi filtrar as boas lembranças das ruins. Ainda bem que com você as boas se multiplicaram.

Eu ainda me lembro o jeito como você fingia dormir quando percebia que eu já tinha acordado. Eu fingia não perceber e te acordava com ataques de beijos, cheiros e muito carinho. Que carente, hein? Também não tenho como esquecer como eu odiava o seu café. Nunca no ponto, sempre fraco demais ou forte demais. Tinha fé que um dia você acertaria, mas daí eu lembrava que você odiava café e não teria tanto esforço em acertar.

Em feriado ou final de semana era o seu dia de mostrar dons culinários. Tudo bem, tudo bem, você até cozinhava algumas coisas legais. E eu era obrigada a experimentar tudo (e dizer que estava ótimo para a felicidade da nação). Você ficava tão feliz sujando panelas, cortando legumes, temperando coisas e eu ficaria horas assistindo ao seu Master Chefe particular. De fato a beleza vem dos momentos mais simples.

Não posso afirmar totalmente, mas acho muito difícil que você tenha esquecido. Aquela festa que nós fomos e tinha uma galera BEM das antigas. Gente que não víamos há anos. Nossa! A frase que eu mais ouvi foi "lembra de ...". E não é que eu lembrava mesmo? Todo mundo fazia questão de nos sacanear falando de como nós nos odiávamos. Quem diria querido? Eu te deixaria abandonado na estrada com uma perna quebrada. Você me deixaria ser pisoteada por uma multidão. No fundo o ódio todo era uma vontade incontrolável de ficar junto. Você não quebrou nenhuma perna e eu continuo evitando multidões. E o mais importante: nos amamos.

São tantas lembranças. Tantas que se eu pudesse escolher só uma pra reviver seria incrível. Da vida toda seria impossível. Mas com você eu escolheria a primeira vez que ficamos. Eu descobri naquela noite que eu sabia apenas o seu nome e endereço. Porque isso era o que a superfície me mostrava. Lá embaixo desse iceberg tinha tanta história, tanta coisa boa que eu precisava saber mais. A paixão bateu ali naquele dia e eu não tenho a menor intenção de negar.

Você diz "recordar não é viver" e eu concordo que ficar lembrando não contribui em nada. Mas admite que quando eu começo com a minha sessão flash back de "lembra quando..." você ama? Suas lembranças boas também aumentaram comigo em sua vida. Eu não era de voltar no passado, mas enquanto você for meu futuro eu voltarei. E voltarei feliz da vida.