15 de abr de 2016

Nunca te escrevi


Você dava vida pra todas as coisas que fazíamos juntos. Não sei como nunca percebi que tudo só acontecia porque você estava lá, colocando um toque seu. Por isso dava tão certo, por isso era tão mágico. Infelizmente não é assim mais.

Não gosto de passado, meu foco sempre foi no futuro e o presente. Não gosto de remoer lembranças, isso nunca me fez bem. Abro exceções pra lembrar de você hoje. Lembro das suas loucuras, das suas esquisitices, da sua falta de jeito com tudo, da sua espontaneidade e uma naturalidade pra falar sobre qualquer assunto, algo que eu sempre quis ter. Minhas palavras só saem bem quando escritas.

Alguém deveria escrever uma música sobre você, não "para" e sim "sobre". Uma música que descrevesse o seu sorriso bobo, seu jeito alegre e sua força de continuar seguindo em frente mesmo quando tudo dá errado. Uma música dançante, pois sei o quanto ama dançar. Daquelas que no refrão a gente grita e parece soltar todos os demônios que nos atordoam.

Eu já deveria ter te escrito tantas vezes mais. Nunca o fiz. Nunca fiz cartas, nunca disse o que sentia, apenas desfrutava da tua companhia alegremente. Mas se eu pudesse dizer tudo que eu não disse numa carta ou num texto, nós dois ficaríamos surpresos ao ler.

Sei que nos separamos de uma forma um pouco estranha, as coisas aconteceram rápido demais, foi tudo se embolando e quando vimos já era. Sei que não vou poder voltar atrás e mudar nada. Temos o presente pra mudar o futuro e só cabe a nós efetivar essa mudança.

Saiba que agora eu vou usar a boa energia que aprendi a ter com você pra dar vida ao que eu faço também. Continuarei intensa e vou tentar fazer as palavras saírem da boca, não de canetas ou teclados. Saiba também que eu ainda gosto de você, mesmo depois do tempo, mesmo depois da distância, mesmo depois de tudo. E eu sinto saudade porque mesmo que eu tente não vou conseguir te esquecer.